Enem 2020: Geekie Teste cobre 96% dos assuntos de Matemática e Ciências da Natureza

Segundo o parecer da Equipe de Avaliação da Geekie, responsáveis pela construção do Geekie Teste, o caderno de Matemática e suas Tecnologias abordou, entre as questões, o fenômeno de manifestações populares de massa; já em Ciências da Natureza, Física e Biologia exigiram maior proficiência do que Química.

No segundo dia de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) 2020, estudantes tiveram desde uma questão que envolvia o personagem Harry Potter até uma que abordava a genética, uma novidade na área de Biologia para a prova. Na área de Matemática, as perguntas envolviam um diálogo com outras áreas de conhecimento, como a Arquitetura e a outras disciplinas como Química, Física, Biologia, Arte, Educação Física e até mesmo Língua Portuguesa.

Ao avaliar as questões das duas áreas de conhecimento do segundo dia de provas do Enem, a Equipe de Avaliação da Geekie constatou que o Geekie Teste teve uma aderência de 96% dos assuntos – no primeiro dia de provas, a aderência foi de 88% dos assuntos. A aderência do Geekie Teste ao Enem é uma análise comparativa entre o exame oficial e a avaliação externa disponível para o Geekie One e para a Rede SESI.

O Geekie Teste é a avaliação externa da Geekie que simula o Enem e o Saeb. Estudantes do Ensino Médio de escolas parceiras da Geekie, realizam até quatro simulados ao longo da 3ª série e dois nos primeiros anos do segmento. Portanto, os(as) estudantes que se prepararam para o Enem por meio das aplicações do Geekie Teste em suas escolas em 2020 tiveram contato com 96% dos assuntos presentes no Enem. As questões do Geekie Teste são autorais e exclusivas, pautadas na matriz do exame nacional e produzidas de acordo com o conhecimento dos especialistas da Equipe de Avaliação da Geekie.

Confira o parecer qualitativo da Equipe de Avaliação da Geekie sobre os dois cadernos do segundo dia de aplicação do ENEM 2020:

Matemática e suas Tecnologias

No caderno de Matemática e suas Tecnologias do Enem, a prova contou com diversos assuntos recorrentes nas aplicações de anos anteriores. A prova, de maneira geral, cobra dos estudantes habilidades de ler e interpretar tabelas e gráficos, trabalhar com porcentagens e modelar algebricamente problemas matemáticos. A prova também utilizou diversas imagens para ilustrar os problemas apresentados nas questões. O conteúdo das questões variaram entre os ramos do conhecimento matemático, como geometria, grandezas e medidas, aritmética, estatística e probabilidade e álgebra.

Entretanto, alguns assuntos que eram comuns em outras aplicações não foram abordados nessa aplicação, tais como: funções trigonométricas, funções do 2º grau, matrizes, juros simples e compostos e cônicas. Houve também uma questão de inequação modular – um assunto que não é cobrado com muita frequência – que demandava conhecimento específico para resolução.

De maneira geral, a prova de Matemática do Enem demanda conhecimentos diversos para a resolução de uma questão. Portanto, é necessário que os(as) estudantes desenvolvam a habilidade de relacionar conhecimentos obtidos nos diversos campos da matemática. Essas questões trazem contextos que representam e/ou podem representar situações da vida real, além de citações sobre elementos que fazem parte da vida cotidiana dos(as) estudantes, fazendo com que a prova tenha significado para ele(a). 

Vale salientar que, esse ano, se destacou uma questão baseada em uma situação da história de Harry Potter, personagem de um livro infanto-juvenil conhecido mundialmente. Outra questão que merece menção, dado o momento de pandemia, é a que aborda o fenômeno de manifestações populares de massa e como estimar a quantidade de pessoas nesses casos. Por fim, houve uma questão sobre um jogo online no qual os(as) jogadores(as) precisam determinar qual seria a visualização do objeto tridimensional que desce do alto da tela e é projetado em planos ortogonais.

Em Matemática, os assuntos mais frequentes foram:

  • Grandezas diretamente proporcionais;
  • Razão e proporção;
  • Unidades de medida e escalas;
  • Projeção ortogonal;
  • Gráficos e relações entre variáveis;
  • Volumes do prisma e cilindro;
  • Problemas envolvendo operações básicas;
  • Média aritmética;
  • Progressões aritmética e geométrica;
  • Análise combinatória;
  • Probabilidade;
  • Porcentagem;
  • Área do retângulo.

As questões foram bem distribuídas entre assuntos estudados nos diversos anos do Ensino Médio. Além disso, houve questões que abordavam assuntos típicos do Ensino Fundamental, como as questões que envolvem cálculos com operações básicas (adição, subtração, multiplicação e divisão). No entender da Equipe de Avaliação, haviam algumas questões consideradas difíceis, que requerem conhecimentos específicos de trigonometria, inequação modular, progressão geométrica, análise combinatória e probabilidade. Além disso, havia questões que eram necessários muitos cálculos, sendo, portanto, mais trabalhosas.

Na área de Geometria, as questões reivindicavam um conhecimento sobre fórmulas para o cálculo de áreas de retângulos, volumes de prismas e cilindros. Algumas questões pediam apenas uma identificação de propriedades e características de alguns polígonos e poliedros, além da habilidade de compreender a projeção ortogonal de algumas figuras geométricas. Também foram cobrados conhecimentos específicos sobre triângulos, envolvendo o teorema de Pitágoras e Trigonometria no triângulo retângulo.

Na área de Estatística e Probabilidade, para responder às questões era necessário que o(a) estudante tivesse conhecimento sobre fórmulas para o cálculo de média aritmética simples e ponderada, além de algumas noções sobre probabilidade. 

Na área de Álgebra, as questões pleiteavam habilidades de relacionar a variação de grandezas com seus respectivos gráficos e identificar equações que expressam relações entre variáveis. Além disso, para responder às questões era preciso conhecimentos sobre funções, logaritmos e suas propriedades operatórias, inequação modular e progressões aritmética e geométrica.

Na área de Aritmética, era necessário a habilidade de ler e interpretar problemas que envolvem operações básicas, como adição, subtração, multiplicação e divisão nos diversos conjuntos numéricos. O cálculo e compreensão sobre porcentagens também foram habilidades requeridas, tanto para calcular certo valor dado uma porcentagem, quanto para encontrar a porcentagem de um decréscimo. Algumas questões cobraram a habilidade de raciocínio sobre números e de escrita em notação científica. Além disso, houve uma quantidade significativa de questões sobre conceitos e conteúdos de análise combinatória e princípios de contagem.

Na área de Grandezas e Medidas, as questões solicitavam a habilidade de interpretar e trabalhar com variação de grandezas proporcionais, além de noções sobre razão e escalas. Diversas questões exigiam a habilidade de conversão de unidades de medidas usuais de comprimento, tempo, capacidade, área e massa.

Como de costume, a prova também trouxe contextos ligados a Finanças e Administração, que mostram, por exemplo, como utilizar a matemática para economizar dinheiro, calcular receita, lucro, mesada e se planejar financeiramente. Além disso, o Enem também trouxe, em suas questões, a matemática relacionada à tecnologia – compra de passagens por aplicativo e computadores de bordo em veículos -, às leis – requisitos para dimensões da Bandeira Nacional, lei para edificação e Estatuto do Idoso -, às questões sociais – dados sobre tempo de estudo e sobre a realidade dos(as) jovens em relação a estudo e trabalho -, à Arquitetura e a outras disciplinas como Química, Física, Biologia, Arte, Educação Física e até mesmo Língua Portuguesa – frequência de uma palavra em um dado texto. Isso faz com que os(as) estudantes percebam a interdisciplinaridade da Matemática e como ela está presente nas diversas profissões e no dia-a-dia das pessoas.

e-book-Novo-Ensino-Médio

Ciências  da Natureza e suas Tecnologias

A prova de Ciências da Natureza e suas Tecnologias, em geral, seguiu o padrão dos anos anteriores, exigindo do candidato um bom domínio dos conhecimentos adquiridos no Ensino Médio. Várias questões mencionaram situações que envolviam tecnologia e sustentabilidade. Assuntos que simulam o cotidiano do(a) estudante e aplicações práticas dos conceitos estudados predominaram na prova, como, por exemplo, a questão sobre o cozimento de alimentos utilizando panelas de pressão. Pelo parecer dos especialistas, Física e Biologia exigiram maior proficiência do que Química.

Em relação ao conteúdo, foi possível perceber mudanças nos assuntos de Química, com poucas questões sobre interações intermoleculares e ausência de questões sobre eletroquímica. Na prova de Física, diferentemente dos anos anteriores, mecânica não foi o conteúdo com a maior quantidade de questões. Em Biologia, o formato foi mantido como nos anos anteriores, mas a novidade foi a presença de um tema relacionado à genética.

Em Ciências da Natureza, os assuntos mais frequentes foram:

  • Cálculos estequiométricos;
  • Cinética química;
  • Equilíbrio químico;
  • Funções orgânicas;
  • Propriedades da matéria;
  • Termoquímica;
  • Anatomia e Fisiologia animal e vegetal;
  • Ciclos biogeoquímicos;
  • Genética e biotecnologia;
  • Impacto e conservação ambiental;
  • Processos metabólicos;
  • Cinemática;
  • Eletrodinâmica;
  • Eletromagnetismo;
  • Eletrostática;
  • Ondulatória;
  • Óptica;
  • Termodinâmica.

Química

Em Química, os assuntos foram bem distribuídos e a prova demandou mais leitura e  interpretação de textos, com poucos cálculos. Os conteúdos dessa prova tiveram enfoque na parte ambiental: impactos do descarte e queima de substância no ambiente; temas como o consumo de energia elétrica a partir de uma matriz renovável. A aplicação dos processos tecnológicos foram frequentes nas questões dessa disciplina.

Especificamente nos temas que envolvem química orgânica, a apropriação da nomenclatura foi essencial para a identificação de funções orgânicas e estrutura da cadeia. Também foi exigida do(a) estudante a compreensão do impacto dos polímeros em relação ao seu descarte no meio ambiente, assim como os possíveis produtos gerados na combustão.

Sobre os equilíbrios químicos, o(a) estudante precisou associar os conhecimentos desse assunto com a solução de problemas tecnológicos, no caso, a reutilização de um cartão indicador de umidade, além de avaliar o impacto no aumento do dióxido de carbono na atmosfera, utilizando para isso os conceitos de equilíbrio químico e pH.

Em termoquímica, foi fundamental a compreensão sobre o processo de mudança de fase e sua relação com o aumento de pressão em uma panela, para interpretar o motivo do desperdício de gás de cozinha após a formação de vapor durante o cozimento. Essa interpretação também foi essencial, em conjunto com a área de cinética, para identificar e classificar se uma reação química se encaixa nos conceitos da química verde. 

Sobre as propriedades da matéria, os(as) estudantes tiveram que identificar as interações intermoleculares em processos de obtenção de óleos vegetais, além de aplicar conhecimentos sobre solubilidade, densidade e mudança de fase para tratar resíduos químicos.

A ausência de eletroquímica foi uma surpresa no Enem deste ano, por aparecer com frequência nas provas anteriores. De modo geral, as questões de Química não foram difíceis, pelo parecer dos especialistas da Geekie.

Biologia

Em Biologia, o esforço cognitivo para a interpretação de texto e a análise de gráficos e tabelas foi maior em relação aos anos anteriores. Alguns textos não eram de simples compreensão, exigindo atenção redobrada. Uma questão cobrou do(a) estudante a necessidade de analisar o gráfico e a própria legenda para entender a situação apresentada e, assim, identificar o ponto de amostragem da água do rio que está mais próxima ao local que recebe despejo de esgoto.

Quanto aos assuntos dessa disciplina, a prova manteve o padrão das edições anteriores, fazendo com que ecologia, por exemplo, fosse novamente uma “figurinha repetida”. Foram cobrados assuntos como impacto e conservação ambiental e ciclos biogeoquímicos. Dentre as questões, uma muito interessante tratava da construção dos corredores biológicos para a conservação da biodiversidade. Outra questão que chamou atenção abordou o derramamento de petróleo, exigindo do(a) estudante  conhecimentos, não só de Biologia, mas também de Química para apontar corretamente o gabarito. É válido destacar que assuntos relacionados ao petróleo apareceram em três questões da prova de Ciências da Natureza, o que é raro no Enem.

Outro tema frequente foi a biotecnologia. Assuntos como transgenia e técnicas para tratamento de células tumorais marcaram presença. Evolução dos seres vivos apareceu novamente nas provas do Enem. Neste ano, tratou-se de especiação, com foco no surgimento de novas espécies por isolamento reprodutivo, utilizando-se nomenclaturas de genética (genótipo e fenótipo).

A novidade em Biologia foi uma questão de genética que tratava da genética das populações, envolvendo tipos sanguíneos do sistema ABO. Era preciso que o(a) estudante aplicasse os seus conhecimentos sobre o Princípio de Hardy-Weinberg (lei do equilíbrio de Hardy-Weinberg). Para isso, era necessário reconhecer os dados apresentados, aplicá-los na fórmula dada pela questão e realizar o cálculo corretamente, mas exigia análise e avaliação mais cautelosa dos procedimentos de doação de sangue.

A ausência de imunologia e vírus chamou atenção, pois apareceram questões nas provas anteriores sobre os assuntos. Em contrapartida, houve uma questão sobre o uso de fármacos, cujo medicamento é revestido por celulose para garantir que ele não seja afetado pelas secreções gástricas e chegue ao intestino para ser absorvido.

Outras questões abordaram assuntos de anatomia e fisiologia animal e vegetal, assim como processos metabólicos que envolvem esses seres vivos. Destaca-se a questão sobre as aves, em que era necessário que o(a) estudante investigasse a razão pela qual as aves conseguem flutuar a partir de suas características morfofisiológicas.

Física

Como de costume no Enem, Física foi o componente curricular de Ciências da Natureza mais trabalhoso. Mais do que cálculos, a prova do Enem requereu que o(a) estudante reconhecesse conceitos físicos. Praticamente a metade dessas questões abordava conceitos, enquanto a outra tratava de cálculos.

Assuntos que envolvem ondulatória e elétrica foram frequentes e exigiram do(a) estudante relacionar e utilizar as propriedades e leis físicas com as inovações e usos tecnológicos, bem como o consumo e a geração de energia elétrica. Entretanto, a estática, assunto que já foi exigido em edições anteriores, não foi cobrada na aplicação do Enem 2020. 

A parte de cinemática contou com menção aos desenhos animados para contextualizar e abordar a trajetória de objetos em lançamentos bidimensionais, demandando dos(as) estudantes a identificação gráfica desse movimento. Esse tema esteve presente em outra questão que exigia a aplicação de cálculos dentro de um contexto de sincronização dos semáforos.

Uma tirinha do Garfield deu um toque especial à parte de eletrostática, abordando a identificação do processo de eletrização. Esse tema também esteve presente em outra questão da prova que o relacionava à situação de como se proteger dos raios dentro de um veículo, exigindo dos examinandos a compreensão das leis físicas para contrapor algumas soluções do senso comum.

Na parte de eletrodinâmica, por meio da contextualização com baterias de carro, o(a) estudante precisou utilizar circuitos e dispositivos elétricos, como amperímetros, para realizar cálculos que envolvessem a intensidade de corrente elétrica.

Em ondulatória o contexto teve um enfoque mais tecnológico: os(as) estudantes tiveram que relacionar as informações de ondas sonoras para identificar qual era o fenômeno físico presente em um fone de ouvido com tecnologia de cancelamento de ruído (CR), sendo necessário também compreender o funcionamento de um oscilador de audiofrequência e aplicar o conhecimento através de cálculos.

A prova de Física ainda abarcou o uso da energia nuclear tanto para fins benéficos quanto para bélicos, exigindo do(a) estudante o reconhecimento da geração desse tipo de energia. Foram solicitadas, também, a interpretação de gráficos e a aplicação de cálculos para o processo de descompressão de mergulhadores. Um fato curioso: nenhuma questão dessa disciplina contextualizou impactos ambientais, diferentemente de Biologia e Química.

Clique no banner abaixo para ler mais artigos sobre o Enem 2020 em nossa série especial:

TAG Serie Enem (InfoGeekie)
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Bitnami