“DNA inovador da rede SESI é extremamente importante para a educação brasileira”

Em um ano atípico como foi 2020, os Departamentos Regionais tiveram mais de 90% de participação nos simulados do Geekie Teste. O Gerente de Educação Básica do Departamento Nacional do SESI, Wisley João Pereira, comemora o resultado e destaca que o uso da tecnologia faz parte do DNA do SESI. Confira a entrevista:

Campeonato de robótica, cultura maker, metodologia STEAM (Ciências, Tecnologia, Engenharia, Arte e Matemática), Geekie Lab e Teste… Os exemplos de que a tecnologia e a inovação fazem parte do DNA da Rede SESI não faltam. Em 2020, um ano complexo e marcado pela pandemia do coronavírus, o propósito de oferecer uma educação conectada com o século XXI fez toda a diferença e seu reflexo ficou marcado no alto engajamento de realização do Geekie Teste mesmo durante os meses de aulas remotas.

Em entrevista à Geekie, Wisley João Pereira, Gerente de Educação Básica do Departamento Nacional do SESI, comenta que a pandemia trouxe diversos desafios para os departamentos regionais da rede. Porém, o distanciamento social propiciou também um novo olhar para a escola: “foi um refresh muito grande da importância da socialização e da presença do(a) aluno(a) no espaço físico, que é a instituição escola”. 

E isso não só por conta das saudades das salas, corredores e do pátio das unidades da rede. Com a pandemia, famílias se aproximaram do processo de aprendizagem; docentes ultrapassaram seus limites para continuar oferecendo aulas cada vez mais inovadoras; estudantes continuaram a trabalhar em seus projetos de vida; e toda a rede trabalhou fortemente para minimizar todos os impactos negativos que a pandemia marcou no final desta década para que não impedisse que o desenvolvimento integral de crianças e adolescentes.

Confira a entrevista:

InfoGeekie: Como foi que a pandemia do coronavírus impactou a rede?

Wisley João Pereira: É uma pergunta bem complicada porque eu acho que a pandemia afetou o mundo inteiro, mas eu falo que a educação fez uma revolução silenciosa. Os professores e professoras garantiram um serviço de extrema importância social e econômica para o nosso país e se reinventaram da noite para o dia para mantê-lo durante este período. 

De certa forma, a pandemia evidenciou a relevância do papel educacional para a nossa sociedade, sobretudo dos(as) nossos(as) professores(as). 

Se a gente pode tirar alguma lição de aprendizagem e alguns benefícios deste cenário, o principal é o de saber que eu consigo fazer uma aula diferente. O benefício para aquele professor ou aquela professora que tinha uma dificuldade de resiliência, adaptabilidade ou de mudança, foi o de ver que não era tão difícil assim e que ele tinha a capacidade [para isso]. De certa forma, a pandemia, meio que a fórceps, trouxe o século XXI para dentro da escola, e a escola não será a mesma após ela. 

InfoGeekie: E qual foi o impacto para as famílias dos(as) estudantes da rede SESI?

Wisley: Eu acho que esse ano foi um ano de grande ensinamento para todos os nossos educadores e educadoras, para os(as) estudantes, para o ambiente escolar todo, mas sobretudo para as famílias. Ela conseguiu enxergar a relevância do professor e a falta que esse professor faz no desenvolvimento de um país e principalmente das nossas crianças, adolescentes e jovens. 

É um ano que, realmente, a gente aprendeu que a educação tem um valor inquestionável. Isso em todas as esferas. O(A) aluno(a) reviu o valor da escola. Ele(a) percebeu a importância da socialização, da presença dele(a) no ambiente escolar e que a escola não é só o professor ou a professora na lousa passando conteúdo. É toda uma relação social, étnico-racial, de convivência, de resiliência, de saber ouvir, de saber se posicionar, de saber que eu tenho tribos, e que é isso que faz essa diversidade tão maravilhosa no nosso país. O setor educacional, ao meu ver, consegue congregar isso tudo naquele espaço fantástico: a escola. A escola está deixando uma saudade muito grande no coração de cada um desses brasileiros. 

Nós, educadores e educadoras, tínhamos perdido essa relevância social com o passar do tempo, pela história e por todas as mazelas. Foi preciso uma pandemia para falar para a sociedade: “Olha, não esqueçam desse profissional! Sem ele, a sociedade vai caminhar para um desastre muito grande.”

InfoGeekie: Falando nos educadores e nas educadoras da rede SESI, como foi a adaptação dos regionais neste momento de mudança? 

Wisley: A gente sempre fala que a escola precisa estar no século XXI, que precisa engajar nas tecnologias. Para o SESI isso tem uma certa facilidade. Os professores da rede SESI, por já trabalharem e terem familiaridade com ferramentas tecnológicas, tiveram uma maior facilidade de fazer essas mudanças e, com isso, eles tiveram uma alta adaptabilidade, que é uma das habilidades e competências do século XXI. 

A importância do papel pedagógico, do planejamento dos nossos professores em sala de aula também trouxe um refresh muito grande da importância da socialização e da presença do aluno no espaço físico, que é a instituição escola. Essa é uma importância socioemocial de extrema relevância. A gente verifica, por exemplo, na rede SESI que os Departamentos Regionais fizeram várias atividades para tentar aproximar os estudantes da escola. As aulas inovadoras dos nossos professores. Eu vou tentar não me emocionar… Virar youtuber da noite para o dia, com qualidade, garantir a aprendizagem em um momento de pandemia… Conseguimos garantir que esse serviço não paralisasse. Eu tenho certeza que professores, tanto na nossa rede como no sistema público, fizeram o seu melhor para que pudessem chegar nos(as) mais distantes alunos(as).

InfoGeekie: A gente também ouviu vários relatos de superação e adaptação das regionais. O DNA inovador da rede SESI foi importante nessa adaptação? O que move essa visão inovadora e como ela foi reforçada em 2020?

Wisley: Eu acho que este DNA inovador é algo que foi demonstrado ser extremamente importante para a educação brasileira e para este momento de pandemia. Tivemos regionais que, em uma semana, já estavam com todos os alunos em salas de aula remoto, todo mundo estava orientado, professores motivados e dando aula e que entraram nas férias normalmente. Sofremos o impacto da pandemia? Lógico! Mas se para alguns a chegada do século XXI foi a fórceps, para os professores da rede SESI isso não foi uma realidade. O século XXI já faz parte do DNA da rede SESI, desde a formação de nossos professores, do uso da tecnologia, etc. 

A tecnologia faz parte do nosso currículo, ela não é um agregado trabalhado em momentos específicos. Não, a tecnologia faz parte do dia a dia. Nós somos os indutores, por exemplo, dos campeonatos de robótica, de levar esta tecnologia e de uma cultura maker pra dentro da escola, dessa pegada de STEAM, que já está bem enraizada no jeito SESI de ser. Já é quase uma metodologia de ensino “SESIANO”. 

Eu estou na rede SESI há mais de um ano e já me sinto totalmente contaminado pela tecnologia. Para nós, [a tecnologia] é algo muito natural. 

InfoGeekie: Mesmo em um ano tão atípico, conseguimos um alto engajamento dos regionais na plataforma da Geekie. Mais de 90% dos estudantes realizaram o Geekie Teste e o uso do Geekie Lab se manteve alto. O que isso representa para você? Qual importância disso na estratégia da rede? 

Wisley: Primeiro, um dado como este sobre a realização do Geekie Teste é um indicador fantástico. Mais de 90% de realização no simulado em um ano de pandemia é fantástico. A resposta é essa: estamos no caminho certo! O uso da tecnologia como DNA do SESI, como princípio, foi reverberado no indicador! Ter plataformas de aprendizagem adaptativa como a da Geekie, é fruto desta crença de que o ensino pode ser tecnológico, adaptativo e que cada um tem um tempo de aprendizagem diferente e que vamos garantir a equidade de oportunidades dentro da rede.

Eu gosto muito do conceito de meritocracia, mas no meu conceito! A meritocracia não existe sem a equidade. Eu acho que uma plataforma adaptativa ajuda muito a trazer equidade. E eu sempre falo, o(a) estudante precisa ser empreendedor na sua aprendizagem. Ajuda muito quando ele consegue entender suas lacunas e onde precisa melhorar. Eles e elas têm que conhecer de forma sólida os conceitos da ciência, da física, da química, etc. Todos estes componentes são muito importantes, mas, sobretudo, precisamos permitir que as habilidades específicas e individuais deles também possam ser desenvolvidas na velocidade dele. 

Cada um desenvolve habilidades específicas, mas no Brasil, sobretudo no ensino médio, matamos as habilidades específicas dos jovens querendo dar tudo para todos. Este não é o caminho! Você tem que garantir qualidade da aprendizagem, buscando garantir o conhecimento base de modo sólido a todos e não travar, nem deixar de permitir que os(as) estudantes possam aprimorar e aprofundar suas habilidades. Para isso, uma plataforma adaptativa casa muito com este conceito, ainda mais em uma rede como a nossa que é precursora. Somos os precursores na implantação do Novo Ensino Médio e uma plataforma como essa casa muito com nossa metodologia e o jeito SESI de ser. Estudar é prazeroso, mas quando faz sentido dentro do projeto de vida dos estudantes. 

InfoGeekie: Qual balanço de 2020 você faria e o que espera do ano de 2021? Quais os principais objetivos e direcionamentos da rede aos regionais para este ano?

Wisley: Primeiro, falando de Brasil. Acho que o Brasil terá um marco histórico: pré pandemia e pós pandemia na educação. Os livros trarão que as escolas se reinventaram, começaram a fazer ensino híbrido, uma educação mais maker, etc. Já a rede SESI falaria assim: a pandemia evidenciou que estamos no caminho correto e que precisamos continuar nesta direção, aumentando a velocidade. Estamos no caminho certo oferecendo uma educação maker, baseada em resolução de problemas, que tem impregnada em si uma metodologia STEAM (Ciências, Tecnologia, Engenharia, Arte e Matemática) e que isso tem que ser natural dentro da rede. Além disso, a infraestrutura também tem que colaborar com o projeto pedagógico. 

InfoGeekie: Qual mensagem você gostaria de passar aos departamentos regionais e a todo corpo docente?

Wisley: Olha, os desafios educacionais são grandes, mas trabalhamos em uma rede que está focada em dar soluções efetivas ao desafio, baseado em evidências. 

Quero agradecer e parabenizar os departamentos regionais pelo esforço hercúleo. Quem está na ponta fazendo a educação no chão da escola é quem realmente sabe os gargalos do cotidiano e ainda assim garantir que 90% dos estudantes fazendo o Geekie Teste, emprestando computador, tentar resolver problemas de conectividade, de estar engajados em resolver os problemas dos estudantes que têm condições socioeconômicas desprivilegiadas em relação a outros, para tentar garantir a equidade. 

Estou muito feliz em fazer parte de uma rede que pensa em todos e com uma inclusão tecnológica fantástica!

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Bitnami